Mário Macilau

O chefe da polícia de investigação sul-africana depois de analisar o “caso” de Mário Macilau, mandou libertá-lo imediatamente, pois na sua visão tratava-se de uma detenção “bizarra”. Por ser “bizarra” a detenção, o chefe da polícia rasgou as multas e o processo que citavam Macilau como falsificador de documentos.

Quando o fotógrafo viu o caso “enterrado”, ainda foi alvo de ameaças, à saída, dos quatro polícia que o tinham detido. “Pode continuar com a sua viagem”, estas foram as últimas palavras do chefe da polícia.

Refira-se que Macilau fazia uma viagem de trabalho a Cidade do Cabo (Cape Town). “Documentos pessoais e da sua viatura falsos” foi o que ditou a detenção do fotógrafo numa prisão de Komga, em East London, na província do Cabo Oriental (Eastern Cape).

 

 

 

Partilhar este artigo
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email